O corpo de uma mulher encontrado em um bueiro, nesta terça-feira (1º), em Glória do Goitá, na Zona da Mata de Pernambuco, foi reconhecido pela família como o de Kauany Mayara Marques da Silva, de 18 anos, que estava desaparecida desde o sábado (29). Para a mãe dela, Michele Marques, o crime foi praticado pelo mesmo homem que estuprou e matou a estudante Jailma Muniz da Silva.

“Ele matou essa jovem [Jailma], deu uma carreira em uma moça, está pintando desordem e acabou com a vida da minha filha. É uma pessoa sonsa, não encara as pessoas. Quando eu soube o que aconteceu, liguei para ele e ele disse pra ter calma que a minha filha iria aparecer, com ar de deboche. Quando cheguei ele já estava foragido”, lembrou Michele.

Após a realização dos procedimentos legais no local, o corpo foi encaminhado para o Instituto de Medicina Legal (IML), onde será realizado um exame que poderá confirmar a identidade da vítima. De acordo com a mulher, o homem pretendia ter um relacionamento com a filha dela, mas ela não queria.

“Ele agrediu ela dentro de casa e depois saiu e deu fim na minha filha. Na casa, tem vestígio de espelho quebrado, sangue na parede, a cama desarrumada. Ele era a fim dela e ela não queria ele de jeito nenhum. Ele não se conformou e acabou com a vida da minha filha”, afirmou.

O corpo estava em um bueiro, no bairro Capuchinho. Um morador da comunidade sentiu um cheiro forte e avistou o cadáver, que estava numa área de difícil acesso e em estado avançado de decomposição. Parentes reconheceram o corpo e a roupa como sendo igual a uma usada pela jovem desaparecida.

A mãe de Kauany foi até o local do crime, mas passou mal e precisou ser socorrida. Desde a última semana de janeiro, a jovem morava em um quarto alugado.

O dono do imóvel, Severino Brás Gonçalves, disse que, na noite em que a jovem desapareceu, ouviu uma briga entre ela e um homem.